O Governo do Estado, através da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh), e em parceria com o Ministério do Meio Ambiente (MMA), concluiu 22 sistemas de abastecimento de água potável, com os dessalinizadores Programa Água Doce (PAD).

Com esta ação, 1200 mil famílias estão sendo beneficiadas, nos municípios de São José do Seridó, João Cãmara, Parazinho, Pedra Grande, Riachuelo, Macau, São Bento do Norte, Jandaíra, Santana dos Matos e Pedro Avelino. Além das comunidades contempladas, as famílias vizinhas também fazem uso do recurso.

O convênio firmado entre o MMA e a Semarh no valor de R$ 19,9 milhões tem como meta a implantação, recuperação e gestão de 153 sistemas de dessalinização. De acordo com Araújo Lima, coordenador do PAD/RN e secretário adjunto da Semarh, 68 comunidades serão beneficiadas na primeira etapa do convênio. “Já concluímos 22 sistemas e até o fim de abril serão finalizados mais 15 tecnologias” disse Araújo.

Para Mairton França, Secretário Estadual do meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, o PAD é um iniciativa muito interessante porque além de fornecer água de qualidade ele promove a disciplina na gestão dos sistemas, que é feita pela própria comunidade. “Nossa equipe de mobilização social se reúne com as famílias, apresenta o programa e detalha o funcionamento do sistema, mas é a comunidade que define quem vai operar, o quanto será distribuído de água e os horários” explica Mairton. “É uma satisfação enorme entregar os dessalinizadores nas comunidades e saber que agora a população tem acesso a uma água de excelente qualidade” finaliza.

Das obras entregues, duas são projetos pilotos que o MMA escolheu implantar no Estado do RN: O sistema de dessalinização alimentado por energia solar, na comunidade Maria da Paz, em João Câmara, e a recuperação do sistema de dessalinização da comunidade Catinga Grande, onde funciona um sistema de produção formado por criação de Tilápias e produção de erva-sal (atriplex), com gestão integrada e participativa.

Os equipamentos atenderão aos municípios, de acordo com o critério adotado pelo MMA que é o Índice de Condições de Acesso à Água (ICCA). Este índice leva em consideração os seguintes fatores: pluviometria, intensidade de pobreza, taxa de mortalidade infantil e o índice de desenvolvimento Humano (IDH).

Fonte: semarh.rn.gov.br